quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Quando as preocupações não param



Não vou perguntar-vos se o copo, está meio cheio ou meio vazio!

Mas, coloco a seguinte questão – Quando estão a segurar um copo, costumam pensar no seu peso?

Na verdade, o peso exato não é importante, só interessa, para ser mais percetível a analogia, que pretendo demonstrar entre o copo e as sensações negativas.

O peso do copo só é relevante, dependendo do tempo que o seguram. Se o segurarem por um minuto, não pesa nada, se o segurarem durante muito mais tempo, ficaram com dores no braço de menor ou maior intensidade, em função do tempo que o seguraram.

Apesar do peso do copo, ser sempre o mesmo e de não se alterar, acontece que quanto mais tempo o segura, mais pesado se torna.

As preocupações, dilemas ou qualquer outra sensação incomodativa, são como um copo que segura na mão, podem contribuir para aumentar o nosso nível de stress. E como é que isso acontece?

Se pensar nos problemas, durante algum tempo não lhe acontece nada. Se pensa nos dilemas muito tempo, começam a perturbar e aumentam a ansiedade. Mas, se não deixar de pensar nas mesmas preocupações, durante dias ou semanas, ficam angustiados, bloqueados, sem reação para agir e resolver novas situações.

Sugiro que nas próximas preocupações, percebam qual o momento certo, em que devem largar o copo. Evitando também, sentimentos de culpa quando os problemas não dependem exclusivamente de si para serem resolvidos.


Aprenda a gerir prioridades


O aumento da ansiedade e do próprio stress, está muitas vezes relacionado com o nosso desejo de controlar, tudo o que acontece à nossa volta, e de querer antecipar em pensamento o que irá acontecer, não deixando fluir o seu percurso normal. Aprender a aceitar que as circunstâncias externas não dependem, na maior parte das vezes de nós, ajuda a diminuir em parte a nossa ansiedade.

Nos momentos em que andamos mais agitados, precisamos de ter à nossa volta as coisas organizadas, seja no trabalho ou em casa, mas o que acontece nessas alturas, é geralmente o contrário, a desorganização é maior que em alturas de maior tranquilidade. Essa constatação ainda aumenta mais os níveis de stress, o que contribui para aumentar ainda mais, a necessidade de controlar o caos à nossa volta, este ciclo só incrementa a agitação interna.

É um conflito interno que se instá-la e começa a influenciar o nosso dia-a-dia, contribuindo para aumentar ainda mais o nosso estado de tensão. Ao ter consciência do que está a acontecer, pare, planeie e organize as tarefas por etapas mas, estabeleça expectativas realistas para as terminar. Sem desejar realizar tudo ao mesmo tempo.

A quantidade de tarefas que temos de desempenhar, é uma constante nos nossos dias mas, nem sempre dispomos de tempo para fazer tudo o que queremos, mas ter objetivos irrealistas ajuda. 

O tempo para alcançar os objetivos pretendidos, é um dos fatores de maior stress. O tempo é escasso para realizar tudo o que queremos e, se por um lado, ficamos aquém do proposto, por outro a nossa agitação interna aumenta ainda mais. Consequentemente, surge a sensação de frustração. 

Andamos sempre apressados, porque estamos sempre atrasados para a atividade seguinte. Estamos num local e, já deveríamos estar noutro. Não saber gerir o tempo, só aumenta a nossa tensão interior.

É importante lembrar-se de:

*Definir tarefas e prioridades, ajuda não entrar em stress;

*Estabeleça objetivos realistas e prioridades. Realizar primeiro as atividades mais importantes no tempo que dispomos;

*Gerir o tempo para cada uma das atividades;

*Deixar fluir as coisas, tentando não controlar tudo, muito menos o que não depende de si.

5 Sugestões eficazes para gerir prioridades

Prioridade vem do latim, prior que significa anterior, a prioridade faz referência à anterioridade de algo relativamente a outra coisa, seja em termos de tempo ou de ordem. Aquilo ou aquele que tem prioridade encontra-se em primeiro em comparação com outras coisas ou pessoas.

Prioridade é fazer o que é mais importante ou o que deve ser realizado em primeiro lugar. Os fatores que contribuem para as definir, são geralmente tempo e o dinheiro.   

1- Definir as prioridades – Quais são as suas? A maior dificuldade é saber quais são, especialmente quando existem inúmeras prioridades para fazer quase ao mesmo tempo. Analise, escreva e atribua-lhes uma ordem para alcançar os objetivos que deseja. Podem ser várias, mas convém ser separadas por áreas, para visualizar melhor, tais como, trabalho, família, viagens, compras…

2- Existir motivação – É preciso sentir que existe uma razão para essa prioridade. É esse o motivo em que deve pensar para manter motivação.

3-Não pense no que tem de fazer depois - Após ter enumerado as prioridades por áreas, concentre-se na prioridade mais importante por área e tente esquecer as restantes. Assim evita pensar em tudo o que tem para fazer.

4-Escolha o local ideal em que deve realizar cada uma das prioridades. Procurando evitar todos os estímulos impeditivos para a sua concretização.
5- Determine horários fixos – Se cumprir o horário estabelecido, vai conseguir fazer o que definiu e, concentre-se no que está a fazer, aumentando a produtividade. 


Imagine agora que os acontecimentos na sua vida são semelhantes ao  transito  caótico numa grande cidade... e tem de conduzir todos os dias...pode não gostar, mas mais tarde ou mais cedo habitua-se... é o mesmo que acontece com os sentimentos inconstantes. É recomendável que se aprenda a gerir as emoções para alcançar maior autocontrole.

Vamos imaginar um
 
semáforo sempre que for preciso lidar com algumas emoções que provoquem alguma instabilidade emocional.

Com o recurso deste semáforo imaginário, é possível fazer uma melhor gestão dos sentimentos, ajudando-nos a perceber qual a melhor maneira de obter uma ação mais eficaz. É uma boa estratégia para se aprender a controlar os impulsos emocionais mais desestabilizadores.

Como controlar os impulsos e gerir sentimentos com o 
SEMÁFORO

Luz vermelha

1. Procure acalmar-se e pense antes de agir! 

Luz amarela

2. Pense em determinado problema e no que sente, relativamente ao mesmo
3. Procure novos objetivo positivos para o resolver
4. Examine as várias situações possíveis 
5. Analise as consequências


Luz verde

6. Avance e tente seguir com o melhor plano!