terça-feira, 12 de março de 2019

Os vários tipos de personalidades




A personalidade de uma pessoa é muito influenciada pela relações que desenvolvemos em criança, especialmente com os pais ou com as outras pessoa com vínculos relacionais e emocionais fortes.

Os relacionamentos da infância, são o molde a partir do qual se estruturam as bases determinantes para o desenvolvimento de cada pessoa. Sendo natural que em função do tipo de relações que se estabeleceram em criança, gere necessariamente resultados diferentes ao nível da personalidade e comportamento atitudes e valores.

É na infância que se experimentam os primeiros conflitos, ansiedades e medos, sendo estes determinantes para o seu futuro, assim como o amor, a atenção e a segurança que sentiram dos pais.


Na infância as experiências negativas que se desenvolveram com os pais, contribuem em muito para a formação da ansiedade em adultos e na forma de lidar com a mesma. 
Estes mecanismos criados na infância, irão influenciar a formação da personalidade de cada pessoa na fase adulta.

A ansiedade ao longo dos anos, gera diversos tipos de de atitudes e comportamentos, formas de ser ou de se relacionar e, influência o modo como cada pessoa se vê ou lida com as suas próprias emoções.

Assim sendo, segundo a teoria de Karen Horney existem vários tipos de personalidade em consequência das diversas formas de lidar com a ansiedade.
Segundo a autora todos os tipos de personalidade, são consequência das falhas que existiram na infância, entre a criança e os cuidadores. E, estão relacionadas com a ansiedade da perda, isolamento e hostilidade.

1º.Procura de afeto e aprovação - ocorre nos casos em que a pessoa agrada aos outros para se sentir bem e como forma de atingir as suas expectativas.


3º. Ter expectativas reduzidas em relação à vida e tem poucos objectivos - Essas pessoas contentam-se com pouco, não tem grandes projectos de vida.

4º.Necessidade de poder: quando a pessoa para esconder a sua inferioridade, precisa de monstrar que tem poder sobre os outros. São pessoas que gostam de subjugar os outros, por pensarem que assim, podem evitar sofrimento ou perdas.

2º. Necessidade de ter um parceiro a seu lado - em que a pessoa tem a ideia de que irá resolver todos os seus problemas através do amor.


5º. Manipular os outros - estas pessoas pensam que podem explorar os outros para proveito próprio. Exploram os outros porque pensam que os outros são recursos para serem utilizados.


6º.Necessidade de prestígio - este tipo sente necessidade de se autovalorizar com reconhecimento público.


7º. Admiração pessoal - neste caso as pessoas têm uma autoimagem sobrevalorizada, querem ser admiradas e procuram evidenciar as suas competências e os seus sucessos. Receiam não ter importância para os outros.


8º.Realização pessoal - estas pessoas sofrem de obsessões por alcançarem grandes objectivos e a têm a expectativa de realizar grandes projectos, como forma de lidarem com as suas inseguranças.


9º. Independência - são pessoas que recusam ajuda dos outros e, sentem um enorme receio em se comprometerem ou em manterem um relacionamento.


10º. Perfecionismo e pouca vulnerabilidade - receiam imenso falhar ou cometer erros, isso faz com que estejam sempre à procura de erros que possam eventualmente ter cometido, de modo a não serem descobertos por outras pessoas, conseguindo assim, corrigir os mesmos, sem ninguém perceber. Temem ser criticadas e por isso querem mostram-se infalíveis. Precisam de sentir que têm o controlo das situações.


Em conclusão pode-se afirmar que as pessoas interiorizam o mundo exterior, em função dos estereótipos culturais negativos da infância, em ansiedade e conflitos internos ao longo do crescimento, mas que podem ser minimizados, se forem cuidados e amados de forma adequada pelos pais.




Sem comentários:

Publicar um comentário